Principais causas da desigualdade social no Brasil

É cada vez mais surpreendente a desigualdade social nos dias de hoje. O Brasil está em 10º lugar me concentração de renda conforme dados de 2015 em pesquisa da ONU. O abismo que existe entre os mais ricos e os mais pobres tem diminuído ao longo dos anos, mas ainda assim estamos longe do ideal.

desigualdade social no Brasil

Favela de Paraisópolis.

Esse fato influencia diretamente em vários aspectos de uma sociedade, como saúde, emprego e segurança por exemplo. A concentração de renda, o nível de emprego e o grau de escolaridade são apenas alguns fatores que ajudam a explicar esse cenário de desequilíbrio entre as diferentes classes sociais.

Você pode estar se perguntando: Ok. Mas por que isso acontece? É o que vamos tentar descobrir

#1 Falta de educação pública de qualidade

É amplamente aceito o fato de que a educação tem o poder de transformar e melhorar a vida de qualquer cidadão, principalmente os de origem humilde. São vários os exemplos de pessoas que conseguiram elevar sensivelmente a condição financeira de sua família através do caminho dos estudos.

Com isso, o brasileiro sofre uma carência muito grande de ensino público que lhe possibilite ascender intelectual e profissionalmente. O sucateamento do ensino básico e fundamental das escolas públicas tem empurrado para cada vez mais longe essa escada social tão importante.

A criança que não consegue ler no devido tempo, fica com sua capacidade de analisar, criticar e se expressar prejudicada. E isso a impede tanto de aprender como de desenvolver habilidades essenciais para sua vida escolar, acadêmica e profissional.

#2 Falta de incentivo ao empreendedorismo nas escolas

Como todos sabem, os empresários sempre encabeçam a lista de pessoas mais ricas. Isso porque o empreendedorismo tem o poder de concentrar esforços, dividir tarefas e ganhar escala. Esses fatores combinados levam as empresas a reduzirem custos e aumentarem produtividade e consequentemente seus lucros.

Outro fato comum é que os empreendedores não precisam ter um altíssimo nível de escolaridade para conseguir criar seu próprio negócio e fazê-lo crescer. Isso não quer dizer que seja fácil e nem que não precise estudar para empreender. Longe disso. Empresários costumam ser ávidos leitores e ter uma capacidade analítica invejável.

Quando combinamos esses dois fatores achamos que o empreendedorismo pode ser a solução de muitas pessoas com relação a falta de emprego e oportunidade de ascensão social. De fato, pode ser. Mas a realidade não é assim tão fácil.

As escolas não ensinam e nem estimulam lições e práticas de empreendedorismo. O que é um erro pois boa parte da capacidade de geração de emprego e renda da nossa economia é proveniente das pequenas e médias empresas cujos donos tiveram que aprender tudo sozinho e sem incentivo no sentido tributário, burocrático ou mesmo educacional.

#3 Falta de educação financeira

Por fim, este é o fator que faz mais diferença na vida de uma população pois é o que direciona para onde vão seus recursos e como será o seu futuro. E também é o que menos se vê nas escolas. A criança não tem a mínima noção de como lidar com dinheiro.

As famílias mais ricas conseguem passar suas lições de finanças pessoais quando os pais se atentam para isso. Já as famílias mais pobres têm o exemplo bem próximo, na maioria das vezes do que não deve ser seguido como consumo por impulso, dívidas em cartão de crédito e falta de controle do orçamento. Mas por não ter contato com o exemplo que deve ser seguido acaba repetindo os erros dos pais o que perpetua ou piora o nível de pobreza das gerações futuras.

#Conclusão

Acredito que se houvesse investimento em educação financeira desde o ensino fundamental até o ensino médio pelo menos, os jovens já teriam uma noção básica do que fazer (e não fazer) com seus orçamentos no futuro.

Essa medida por si só contribuiria para a redução da desigualdade social no Brasil. Se combinada com as outras duas medidas citadas acima, o longo caminho da ascensão social, principalmente dos menos favorecidos, pelo menos ficaria mais firme, pavimentado e iluminado.

Deixe uma resposta